O rápido aumento no número de casos da covid-19 em Belém deve obrigar a Prefeitura a adotar medidas mais rígidas para conter a disseminação do vírus. Somente até o dia 21 de janeiro de 2021, já foram confirmados na capital paraense 7.621 novos casos da doença, 24% a mais que novembro de 2020, que registrou 6.144 novos casos, 2,3% acima que a média mensal de 6 mil casos nos últimos meses. Em comparação a última semana de 2020 e a primeira de 2021, a diferença é assustadora: de 157 para 389 novos casos, aumento de 248%. 

Em 5 de janeiro de 2021, a média móvel de contaminação pela covid-19 era de 151,43 novos casos em Belém. Em apenas 9 dias, 14 de janeiro, as notificações chegaram a 417,29 casos.  O rápido aumento no número de doentes indica a presença da cepa variante de Manaus. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde.

O número de óbitos também aumentou. Na última quarta-feira, 20 de janeiro, foram registrados 9 óbitos da covid-19 em Belém, o que, segundo o documento elabora pela Sesma, “não acontecia há muito tempo”. No últimos meses, a média era de 3 mortes/dia com taxa de ocupação hospitalar de 50%. Nas últimas semanas, 66,7% dos leitos estão ocupados no Hospital Dom Vicente Zico, 87,5% deles são na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O documento, assinado no sábado, 23, pelo diretor do Departamento de Vigilância à Saúde da Sesma, Claudio Salgado, e pelo secretário de Saúde Maurício Bezerra, Maurício Bezerra, conclui que “sejam tomadas decisões imperativas em relação aos diferentes estabelecimentos de Belém, que influenciam o fluxo e a agregação de pessoas, no dia-a-dia do município”, diz o parecer.