Brasilia DF 06 12 2018 i.O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anuncia a futura ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Ela também ficará responsável pela Funai.Valter Campanato/Ag. Brasil

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu uma apuração preliminar para investigar se houve articulação da ministra da Mulher, Fami?lia e Direitos Humanos, Damares Alves, para impedir o aborto legal de uma criança de dez anos estuprada pelo tio, em agosto.

A abertura da investigação preliminar foi informada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. O objetivo é apurar se há indícios suficientes para que a PGR abra um inquérito formal contra a ministra. “Caso surjam indícios mais robustos de possível prática de ilícitos penais pela noticiada, poderá ser requerida a instauração de inquérito nesse STF”.

A manifestação de Aras responde à notícia-crime subscrita pelos senadores Rogério Carvalho Santos (PT-SE), Humberto Sérgio Costa Lima (PT-PE), Jean Paul Prates (PT-RN), Paulo Roberto Galvão da Rocha (PT-PA) e Zenaide Maia Calado Pereira dos Santos (PROS-RN).

Procurada, a pasta ainda não se manifestou sobre o assunto. Leia a petição clicando aqui!

Articulação nos bastidores

Em agosto, parlamentares evangélicos e um grupo de fundamentalistas religiosos tentaram impedir a realização do aborto legal da criança. A ofensiva se deu após a extremista Sara Winter revelar o endereço da unidade de saúde em que aconteceria o procedimento e publicar também o nome da menina.

A criança foi estuprada pelo tio e teve de ir do Espírito Santo a Pernambuco para realizar a interrupção da gestação, após a equipe médica capixaba se recusar a fazer o procedimento mesmo com determinação da Justiça.

Fonte: Folha.