Depois da comprovação da conquista de Joe Biden no Michigan, que colocou o democrata a 253 delegados do colégio eleitoral – 17 a menos que o necessário para ser confirmado como novo presidente -, os Estados Unidos esperam pelos resultados de seis dos 50 estados para terminar o levantamento de votos: Alaska, Arizona, Carolina do Norte, Geórgia, Nevada e Pensilvânia.

Ao longo da noite de ontem, 4, e a madrugada desta quinta-feira, 5, as atenções se voltaram especialmente a dois estados onde Trump ainda lidera, porém Biden apresenta tendência de crescimento e mostra chances de reverter a desvantagem: a Geórgia e a Pensilvânia, os dois maiores colégios eleitorais ainda em aberto.

Na Geórgia, que representa 16 votos de delegados (e deixaria Biden precisando de apenas mais um para confirmar a vitória), até as 6h desta quinta (horário de Brasília), 95% dos votos foram contabilizados. Pela parcial, Trump lidera com 49,6% (2.429.783 votos) contra 49,1% de Biden (2.406.774 votos) – uma diferença de cerca de 23 mil votos que às 22h da quarta era de 47 mil votos.

Biden avança à medida em que são contabilizadas cédulas nos arredores de Atlanta, capital do estado. Na região que engloba a cidade, o democrata tem vantagens expressivas em condados como DeKalb (onde tem 83,1% dos votos parciais) e Fulton (com 72,5%).

Na Pensilvânia, onde estão em disputa 20 delegados, a contagem já somava cerca de 89% dos votos no mesmo horário e mostrava uma diferença de aproximadamente 164 mil votos entre os dois candidatos: Trump na liderança com 50,7% (3.215.969 votos), mas seguido de perto por Biden com 48,1% (3.051.555).

Por volta das 18h de quarta no Brasil, quando Trump se declarou vitorioso na Pensilvânia, cerca de 83% dos votos haviam sido apurados e, àquela altura, o republicano liderava com margem maior: 52,3% das preferências contra 46,4% de Biden.

A Pensilvânia é o estado natal de Biden e seu crescimento é impulsionado pela votação nos maiores centros urbanos. Se no condado de Lackawanna – onde está localizada Scranton, cidade onde Biden nasceu – a vantagem do democrata é de 53,6% contra 45,2%; nos condados das maiores cidades do estado Biden aparece ainda mais à frente: em Pittsburgh, ele ganha por 58,7% a 39,7%; e na Filadélfia (onde reside a maior parte dos eleitores) a vantagem atual é de 79,4% a 19%.

Segundo especialistas, uma das explicações para o crescimento de Biden nas últimas horas é a contagem dos votos pelo correio, muitos deles enviados antes de 3 de novembro, que teriam sido enviados em maior parte por eleitores democratas.

A exemplo do que fez durante toda a campanha, Trump voltou a questionar o voto pelo correio horas após o fechamento das urnas e disse que recorreria à Suprema Corte por considerar que há uma “fraude” no crescimento de Biden conforme a contagem avança.

Viradas também são possíveis nos outros quatro colégios eleitorais que ainda não finalizaram suas contagens, à medida em que a maioria deles ainda apresenta diferenças apertadas. Cada candidato lidera em dois dos estados restantes.

Na Carolina do Norte, com 95% das cédulas já contabilizadas, Trump lidera às 6h (de Brasília) com 50,1% (2.732.120 votos) contra 48,7% de Biden (2.655.383) – diferença de cerca de 76 mil votos. O estado representa 15 votos do colégio eleitoral.

Trump também está à frente no Alaska, um estado menos visado por representar poucos votos (apenas três) e o que tem a contagem mais atrasada. Com 47% apurado, o republicano tem 62,9% dos votos (108.231) ante 33% do democrata (56.849).

Já Biden lidera em dois outros estados que, combinados, podem lhe dar exatamente o total de votos que precisa: em Nevada (6 delegados) e no Arizona (11). Em Nevada, a parcial com 86% dos votos contabilizados mostra Biden à frente com 49,3% (588.252 votos) contra 48,7% de Trump (580.605). É esperado que o estado divulgue atualizações no resultado durante a tarde desta quinta-feira.

Já no Arizona, com 86% das apurações, Biden tem 50,5% dos votos (1.469.341) ante 48,1% de Trump (1.400.951). Durante a madrugada, protestos de apoiadores do republicano questionando as contagens trouxeram tensão à do escritório eleitoral do condado de Maricopa – o mais populoso do estado e onde se localiza a cidade de Phoenix.Fonte: CNN