O Ministério Público de São Paulo iniciou uma nova frente de investigação para apurar mais denúncias de crimes sexuais envolvendo o terapeuta Tadashi Kadomoto, conhecido como “guru da meditação”. Agora outras quatro ex-pacientes e ex-alunas prestaram depoimentos relatando abusos que aconteciam durante treinamentos e sessões de terapia individuais.

Kadomoto, já havia sido acusado por outras três mulheres,e virou réu por estupro de vulnerável e lesão corporal grave em um processo criminal aberto na Justiça de São Paulo no último dia 11. As novas acusações chegaram após o caso ter se tornado público.

Nesta nova investigação, o MP de São Paulo apura também os crimes de violação sexual mediante fraude e associação criminosa. Segundo a Promotoria, a equipe do terapeuta acompanhava os tratamentos e cursos promovidos pelo “guru”. Logo, os promotores querem ouvir os profissionais.

A ex-paciente de Kadomoto relatou que procurou a clínica do terapeuta para tratar anorexia e que teria sido vítima de abusos sexuais durante sete anos.

Fonte: Estadão Conteúdo