Os rumores de que Toto Wolff pode deixar o comando da Mercedes ao fim de 2020 pode fazer com que outro pilar da equipe alemã, Lewis Hamilton, decida deixar o time. A equipe conquistou hoje o sétimo título consecutivo no Mundial de Construtores.

O piloto, que tem contrato somente até o fim de 2020, não garantiu sua permanência na F1 na próxima temporada após ser questionado sobre sua permanência com a saída de Wolff da escuderia, após a vitória no GP da Emilia-Romagna. “Eu nem sei se estarei aqui no próximo ano, então não é uma preocupação para mim no momento. Estamos em novembro e é uma loucura que o Natal não esteja tão longe. Naturalmente me sinto ótimo, me sinto muito forte e sinto que poderia continuar por muitos meses. Então, eu não sei. Você mencionou sobre o Toto e a vida útil, há várias coisas que ficam na minha cabeça. Eu gostaria de estar aqui no ano que vem, mas não há garantia disso, com certeza. Há muita coisa que me excita na ‘vida após a morte’ (após se aposentar da F1). Então o tempo dirá”, afirmou Hamilton.

Apesar do prospecto de perder o líder e amigo, Hamilton disse compreender a motivação de Wolff por trás da vontade de se afastar das pistas para ficar mais tempo com a família.

Em Imola, Lewis Hamilton conquistou a 93ª vitória na Fórmula 1 no GP da Emilia-Romagna, neste domingo. O inglês ainda ajudou a Mercedes a garantir o inédito heptacampeonato consecutivo de construtores. Com o resultado, Hamilton já pode ser heptacampeão mundial na próxima corrida, na Turquia. O inglês tem 85 pontos de vantagem sobre Bottas com 104 ainda em jogo, e, para faturar o título, precisa de uma vitória ou de um segundo lugar com a volta mais rápida.

Fonte: Globo Esporte