De acordo com uma pesquisa realizada pela Ebit/Nielsen, já no primeiro semestre de 2020, o e-commerce brasileiro contabilizou o maior crescimento dos últimos 20 anos. Com isso, o número de fraudes também aumentou. Segundo dados divulgados pela empresa de antifraude para e-commerces e pagamentos digitais Konduto, a taxa de tentativas de golpes no comércio eletrônico brasileiro foi de 3,49% só no primeiro semestre deste anos, sofrendo um aumento durante a pandemia da covid-19. O levantamento mostra ainda um crescimento de compras on-line de 47% no mesmo período. Segundo o estudo, já era esperado um aumento no setor de e-commerce, mesmo sem a quarentena, mas a estimativa era de 18%.

Em março, quando muitos consumidores e varejistas migraram para o on-line, de acordo com a análise da Konduto, foi o período que teve mais registros de golpes virtuais. O mês contabilizou uma taxa de 3,99%, o que significa que a cada 100 compras feitas na internet, no Brasil, quatro tiveram origem fraudulenta. Os dados da pesquisa foram colhidos a partir da análise dos mais de 123 milhões de pedidos que passaram pelos sistemas da Konduto de janeiro a junho deste ano.

De acordo com o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), de janeiro a outubro de 2019 foi registrado um total de 2.953 atendimentos de reclamações. No mesmo período, em 2020, foram 6.848 atendimentos. O Procon informou ainda que, as reclamações são, em sua grande maioria, sobre a não entrega ou demora de entrega de produto e não cumprimento da oferta.

Quando enganado por uma empresa fraudulenta, o consumidor pode realizar reclamação para o Procon e para a Delegacia de Defesa do Consumidor, além de fazer Boletim de Ocorrência. Caso descoberta a origem do golpe, os criminosos poderão responder judicialmente pelas práticas que são enquadradas no Código Penal e no próprio Código de Defesa do Consumidor. É importante lembrar, porém, que os procons atuam apenas no âmbito administrativo, como punição à empresa, aplicação de multa e outras sanções apresentadas no CDC. As penalidades de âmbito criminal são específicas de outros órgãos.

Fonte: Correio Braziliense