Apenas uma pessoa negra se elegeu nas Eleições Municipais de 2016 em Belém. Trata-se de um homem. É o que aponta o “Dossiê Enegrecer a Política”, divulgado nesta terça-feira, 13. O documento inédito traz o recorte de raça/cor nas últimas eleições municipais, o primeiro pleito de candidaturas municipais com o registro de raça/cor pelo Tribunal Superior Eleitoral, e é um pontapé inicial de pesquisas sobre a participação negra nos espaços políticos de tomada de decisão e poder e serve de comparativo para os dados das eleições atuais.

O documento compilou dados do TSE, mas também os cruzando com dados do IBGE, para traçar recortes econômico, de escolaridade, etário, gênero sobre as candidaturas negras municipais, além das porcentagens que foram eleitas em relação a demais grupos sociais. O estudo traz um recorte do Norte e Nordeste, com foco nas cidades de Belém (PA), Recife (PE) e Salvador (BA).

Em 2016, 907 pessoas se candidataram ao pleito eleitoral. Dessas, 20 se candidataram à prefeitura (dez candidatos a prefeito e dez candidatos a vice-prefeito). Ao cargo de vereador, 887 pessoas se candidataram. Em relação a raça, 583 das pessoas são pardas, 218 são brancas, 105 pessoas pretas e uma pessoa indígena.

A composição da Câmara Municipal de Belém (CMB) após o resultado da eleição ficou com 15 (42,9%), homens brancos; 16 (45,7%) homens pardos; três (8,5%,) mulheres pardas; e apenas um homem preto, que corresponde a 2,9%.

Em relação ao sexo, dos887 candidatos a vereador, 607 são do sexo masculino e 280 do sexo feminino. Representando 68,4% e 31,6% respectivamente. Quanto à raça, dos candidatos a vereança na cidade de Belém, 574 se autodeclararam pardos; 101 pretos; 211 se autodeclararam brancos/as e um indígena. Representando 64,7%, 11,4%, 23,8% e 0,1%, respectivamente. O somatório dos candidatos pretos e pardos representa 76,1%.

“A partir da compreensão desses dados, é possível dizer que apesar de ter um número elevado de mulheres e homens negros concorrendo ao cargo de vereador, eles não conseguiram se eleger e a maioria permanece na suplência do cargo. Quando analisamos as pessoas pretas, a situação ainda é mais agravante, pois de 101 pessoas pretas, apenas uma conseguiu se eleger, um homem preto”, diz o documento.

Prefeitura

O documento mostra o perfil dos candidatos que disputaram uma vaga na Prefeitura de Belém. Dos dez candidatos, oito eram homens e duas mulheres. Em relação a categoria raça, as dez pessoas se autodeclararam da seguinte forma: quatro (4) brancos; três (3) pardos e três (3) pretos. Representando 40%, 30% e 30% respectivamente. Nenhum candidato se autodeclarou indígena. Ao realizar o cruzamento dessas duas variáveis (sexo e raça), dos oito homens candidatos à prefeitura, se autodeclararam: três (3) pardos; três (3) pretos e dois (2) brancos. Em relação às mulheres, as duas (2) candidatas são brancas.

Em relação ao sexo, dos candidatos a vice-prefeitos sete (7) são homens e três (3) são mulheres, representando 70% e 30%, respectivamente. Em relação à raça, dos candidatos à vice-prefeitura, seis (6) se autodeclararam pardos; três (3) brancos e um (1) preto, representando 60%, 30% e 10% respectivamente. Ao realizar o cruzamento entre as duas variáveis (sexo e raça), dos sete (7) candidatos a vice-prefeito, quatro (4) se autodeclaram pardos e três (3) se autodeclararam brancos. Das três (3) mulheres candidatas a vice-prefeitas, se autodeclararam duas (2) pardas e uma (1) preta.

Seguindo a lógica de outras cidades do país, há uma predominância de mandados de homens, brancos, cisgêneros e de direita, que governam a capital paraense por 16 (dezesseis) anos, período em que se não se operou nenhuma política que enfrentasse de forma estratégica o alto número de feminicídios, violência doméstica baseada em gênero, o desemprego e a atuação violenta da polícia militar e guarda municipal, onde a população, negra, jovem e periférica é a mais atingida.

Dossiê

Os candidatos e candidatas poderão ser acessados a partir de filtros como município, gênero e partido também no site do projeto.

*Com informações do Enegrecer a Política