Conclusão da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que a compra de respiradores pelo governo do Pará não atendeu normas que regem as contratações públicas. Não há registros de quaisquer documentos com avaliação técnica preliminar do equipamento ou estimativas preliminares dos preços, nem parecer jurídico. Não consta sequer o contrato. A conclusão reforça o entendimento da Polícia Federal e do Ministério Público Federal de que a compra foi fraudada para beneficiar empresa ligada ao governador Helder Barbalho.  “Não foram adotadas cautelas necessárias para minimizar os riscos inerentes por se tratar de compra internacional de alto valor e em mercado com alto risco de inadimplemento por parte do fornecedor, e ainda sem considerar que empresa contratada era apenas intermediária”, diz o parecer. “As despesas foram pagas sem garantia, posto que o contrato constante dos autos, além de não conter cláusula específica sobre essa exigência, é eivado de vícios graves e possivelmente insanáveis”, conclui. 

Fonte: O Antagonista