A cada mensagem que, dirigindo, a pessoa envia pelo celular, e dependendo do tamanho do texto, ela leva quatro segundos para fazer esse procedimento. A uma velocidade de 72 km por hora, significa que o motorista vai dirigir 80 metros às cegas. E, nesse cenário, o risco de acidente é muito alto. O alerta é do diretor técnico-operacional do Departamento de Trânsito do Pará, Bento Gouveia. O Detran informou que, de janeiro a novembro em 2019, foram registrados 27.985 acidentes de trânsito no Pará. Desse total,  7.687 foram causados por falta de atenção, que  inclui o uso de celular ao volante. Os dados de 2020 ainda estão sendo contabilizados.

Em entrevista à Redação Integrada, nesta terça-feira (22), e aproveitando a Semana Nacional de Trânsito, Bento Gouveia falou sobre os riscos de se falar ao celular ao volante. Ele disse que dirigir e usar celular é uma infração de trânsito. “Você não pode dirigir falando ao celular, porque isso acaba tirando a atenção. E a todo momento devemos estar atentos ao trânsito, como prevê o Código de Trânsito Brasileiro”, explicou. Ao falar ao celular, a  pessoa deixa de estar focada no trânsito e passa a dar atenção à conversa que está tendo naquele momento por telefone. Mas Bento diz haver “algo pior” do que falar ao celular. São as conversas pelos aplicativos.

Motorista deve estar 100% focado no trânsito, diz diretor do Detran

“Cada mensagem que você recebe tira uma segundo da atenção da pessoa”, explicou. “E cada mensagem que você responde, dependendo do tamanho do texto, tira 4 segundos, em média. Você fica de cabeça baixa por  4 segundos. Se estiver a 72 km por hora, vai percorrer 80 metros às cegas”, afirmou. Dito de outra forma: é como se o condutor, ou condutora, percorresse esses 80 metros de olhos fechados. Bento explicou que, dependendo do telefonema ou da mensagem recebida, a pessoa pode se aborrecer e ter uma alteração de humor. “Dependendo do telefonema, você acaba se irritando emocionalmente, E é sempre fácil acontecer esse acidente. Por isso, você tem que estar 100% focado no trânsito”, afirmou.

Assim como a campanha que diz “se beber, não dirija”, o mesmo vale para o celular. “Ao dirigir, não use o celular, não fale ao celular”, afirmou o diretor técnico-operacional do Detran. Bento explicou que há outras maneiras da pessoa se deslocar pelo trânsito e não ter que dirigir e se comunicar pelo celular. Ela pode ir em um aplicativo de mobilidade urbana ou viajar no banco de carona de seu veículo, com alguém da família ao volante. Assim, pode mandar e receber mensagens sem problema algum. Ou, se precisar, realmente, falar ao celular, e estiver ao volante, deve encostar o carro. E, sem o veículo estar em movimento, telefonar ou enviar mensagens sem colocar em risco a sua segurança e as das outras pessoas.

Bento também diz que ser fácil observar quando alguém está dirigindo e falando ao celular pelas vias da cidade. É que a pessoa não respeita as leis de trânsito. Fica, por exemplo, no meio da faixa ou começa a frear e andar mais lento, ficando para trás, uma vez que a atenção está no telefone. O diretor lembrou que dirigir e falar ao celular é multa gravíssima. São sete pontos na carteira e R$ 296. E que essa prática se torna “extremamente perigosa” quando a pessoa está conduzindo uma motocicleta.