O caso vem ganhando repercussão no Pará e no Brasil, uma jovem mulher após está sendo velada e ter dada como morta ressuscitou no Pará.

O caso aconteceu nesta segunda-feira (04) em Oeiras do Pará, mínicipio no Pará.

A mulher chegou a ser preparada com algodão e com formol. Familiares com medo de se tratar de Covid19 decidiram não pedir autopsia do corpo, a jovem foi velada na manhã do mesmo dia na residência da família na cidade de Oeiras do Pará.

No final da noite da segunda-feira (04), a mulher dentro do caixão lacrado despertou com algodões na boca, nariz e ouvidos.

A cena milagrosa chamou atenção de toda a cidade de Oeiras do Pará, a família acredita no milagre, será que houve um milagre de Deus em Oeiras do Pará?

Outros alegam que a jovem  pode ter sofrido uma Catalepsia, uma doença rara em que os membros se tornam rígidos, mas não há contrações, embora os músculos se apresentem mais ou menos rijos. A pessoa fica o tempo todo consciente e quem passa por ela pode ficar horas nesta situação.

No passado já existiram casos de pessoas que foram enterradas vivas e na verdade estavam passando pela catalepsia patológica.

Muitos especialistas, contudo, afirmam que isso não seria possível nos dias de hoje pois já existem equipamentos tecnológicos que, quando corretamente utilizados, não falham ao definir os sinais vitais e permitem atestar o óbito com precisão. E como o tradicional exame da causa de morte envolve abrir o corpo para analisar os órgãos, se um paciente não chegar morto, certamente ele sairá morto do exame.

A jovem passa bem e está em observação pela equipe médica do Hospital de Oeiras do Pará.

Foto: ilustrativa

Fonte: Folha de Cametá