“Agente chegou na capacidade máxima e recebemos a ordem do diretor do hospital para fechar porque não tem mais capacidade de atender. Estamos aqui preparados para atender pacientes com Covid-19. Fazemos uma triagem e o paciente fica aqui em isolamento. Pacientes que evoluem vão para a UTI [Unidade de Terapia Intensiva]. E nós chegamos na capacidade máxima. Agora estamos mandando para a UPA [Unidade de Pronto-Atendimento] da Terra Firme ou para o PSM [Pronto Socorro Municipal] da 14”.

Sespa confirma mais oito casos de coronavírus no Pará. Número sobe para 259

Essa foi a declaração de um profissional de saúde do PSM do Guamá, em Belém, que não se identificou, ao DIÁRIO no início da noite deste domingo (12). Segundo ele, os pacientes que lotam a unidade eram casos suspeitos ou confirmados da doença. “Lotou tudo para ‘corona’. Aqui nós atendemos suspeitos de coronavírus. A parte de baixo, UTI, semi-intensiva, sala de observação, tudo lotado”, descreve.

De acordo com o funcionário, os pacientes que chegavam no PSM em busca de atendimento ontem, estavam sendo encaminhados para a UPA da Terra Firme, inaugurada há menos de 1 ano. “Lá também tem paciente para Covid. Não tem estrutura de respirador, mas estão recebendo pacientes de menor gravidade”, disse.

Zenaldo adia mais uma vez a entrega do PSM do Guamá

Ainda segundo o profissional, havia um monitoramento na porta da unidade para que, quem chegasse em estado grave, seria informado que não receberia atendimento. “Se chegar aqui agora algum paciente grave não vamos ter capacidade de atendê-lo porque não tem respirador disponível. Nós estamos no limite e paciente quando está grave precisa ir para o respirador. Não sei como vai resolver essa questão. Vai ter pessoas que não vão ser atendidas aqui”, detalha.

Além disso, o funcionário contou ao DIÁRIO que o quadro de profissionais de saúde também é insuficiente para atender a demanda. “Aqui precisa de mais gente. O prédio aumentou, mas o número de funcionários é o mesmo. Isso aí também é só com a chefia pra ver como eles vão conseguir suprir”, conta. “Agora não tem nenhum diretor. Só amanhã”, acrescenta.

TERRA FIRME

Familiares reclamaram do excesso de pacientes e demora no atendimento na UPA da Terra Firme
Familiares reclamaram do excesso de pacientes e demora no atendimento na UPA da Terra Firme Celso Rodrigues

Da porta da UPA da Terra Firme, já era possível ver o drama de quem precisou de atendimento médico na noite de ontem. A Unidade, que atende diversos casos de emergência, estava superlotada. Só entrava o paciente, acompanhante ficava do lado de fora. E a demora era grande para ser atendido pelo médico. “Eu cheguei seis da tarde com a minha mulher e já são quase nove, nem foi atendida ainda, só chamaram ela para a triagem. Ela está sentindo falta de ar e dor no corpo. A gente nem sabe se ela pode estar com ‘corona’”, comentou. “O atendimento está muito lento. Teve gente que chegou duas da tarde e agora que saiu”, acrescentou Abraão Ferreira, motorista, morador do bairro da Condor.

Segundo ele, não havia nenhuma orientação aos pacientes para utilizarem máscaras e o item também não estava sendo distribuído. “Tem idosos lá dentro sem máscara. Inclusive tem casos de coronavírus aí dentro. Estavam esperando uma ambulância para serem transferidos. Ninguém sabe o estado de saúde deles”, detalha.

Durante a reportagem, um idoso aparentemente sentindo falta de ar, chegou acompanhado da esposa, outra idosa. A senhora foi orientada a ficar do lado de fora, mas devido a presença do DIÁRIO, a entrada dela também foi permitida. Ambos estavam sem máscaras e não receberam o item no atendimento.

Prefeitura

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) informou que nenhum serviço da Rede de Urgência e Emergência de Belém encontra-se fechado. O Hospital Pronto Socorro Municipal Humberto Maradei Pereira (HPSM do Guamá) encontra-se com lotação máxima, com pacientes suspeitos de Covid-19, pois, para realizar a transferência para hospitais de referência, era exigido pela Regulação Estadual o resultado de exame positivo.

Entretanto, na noite de hoje, 12, em conversa entre as esferas municipal e estadual, foram liberados os leitos para os pacientes com síndrome respiratória em estado moderado, que estejam internados nestes serviços, para que sejam transferidos para o Hangar e o Hospital Santa Clara, sem a obrigatoriedade do resultado positivo. A Sesma ressalta que todas as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Hospital Geral de Mosqueiro (HGM) e HPSM do Guamá continuam fazendo a coleta de amostra para diagnóstico e encaminhando para o Laboratório Central do Estado (Lacen) processar, pois este é o fluxo definido.

Fonte: DOL