ex-BBB Pyong Lee disse estar “tranquilo” sobre o depoimento que terá de prestar à polícia, em razão das denúncias de assédio às sisters Marcela e Flayslane dentro do reality global. A declaração foi feita à colunista do jornal O Globo, Patrícia Kogut. Ele também disse que conversou com a mulher Sammy sobre a situação.

“Óbvio que ela ficou chateada, magoada. Ela tinha toda razão para isso, porém eu cheguei de coração aberto para ouvir tudo o que ela tinha para falar. Cheguei querendo ouvi-la para entender como ela sentiu, o que aconteceu. E pedi perdão, disposto a me esforçar para mudar e melhorar”, disse.

Já sobre a situação na justiça, Pyong declarou que irá para o Rio de Janeiro prestar depoimento assim que for solicitado. “Realmente atrasou por causa do coronavírus. E a gente vai comparecer para que eu fale tudo o que precisar. Estou tranquilo em relação a isso”, declarou.

Pyong disse ainda que avalia sua participação no reality como positiva, mesmo com as denúncias. A titular da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, instaurou um inquérito para investigar o caso ainda durante a participação do descendente de coreanos no programa. Em fevereiro, durante uma festa no BBB 20, Pyong tentou beijar Marcela, e Bianca Andrade, apalpou o bumbum de Flayslane, e passou a mão em Ivy.