Uma criança de 3 anos traumatizada, uma mulher morta e a família destruída. Esse é o resultado do assassinato brutal da atendente de caixa Valéria Garcia, de 31 anos, pelo ex-marido. A vítima foi atingida por um tiro no peito e foi levada por vizinhos a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiu.

“Ela saiu correndo para dentro de casa, gritando que tinha tomado um tiro e caiu. A filha dela, de três anos, viu toda a cena. Ela ficou dizendo: ‘papai mau matou minha mãe’. É de partir o coração”, diz uma familiar da vítima. A vítima foi morta a tiros, na noite dessa segunda-feira (17), pelo ex-marido em Itanhaém, no litoral paulista, na frente da filha e o assassino fugiu.

A família de Valéria afirma que a criança, foi até a mãe, caída no chão, e tentou “acordá-la” e abrir os olhos dela. “Ele já tinha ameaçado a Valéria, mas ninguém acreditava que ele seria capaz de chegar a esse ponto. Ela [vítima] era muito apegada aos pais e a irmã, então estão todos muito abalados, não conseguem nem falar do assunto agora. Realmente estão sem chão”, diz a familiar ao G1.

“Perder ela em um crime de feminicídio é uma dor que não dá para explicar. Ela tinha uma vida inteira pela frente. Mês que vem a filha dela faz aniversário e ela já estava preparando a festinha”, contou outra integrante da família da vítima.

Familiares contam que o ex-marido, antes do crime, passou pela rua da vítima, de carro, e disse que ela “ainda iria dar valor a ele”. Pouco tempo depois, segundo esses relatos, retornou armado e a executou com muitos tiros.

Fonte: G1