Após ser um dos destaques na vitória de 3 a 0 do Flamengo, nesta quarta-feira, pela Libertadores, o atacante Bruno Henrique terá um problema para resolver com a Polícia. Segundo perícia de Carlos Éboli, a carteira de habilitação entregue pelo atleta em uma blitz, no fim de fevereiro, é falsa.

O laudo pericial comprovou que o documento entregue aos policiais é um registro forjado, segundo informações do “G1”. O camisa 27 é aguardado para depor na 16ª DP (Barra da Tijuca), nesta quinta-feira.

Bruno Henrique, que chegou a ser convocado para a Seleção Brasileira para os jogos com Bolívia e Peru, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, poderá ser indiciado por uso de documentação falsa, que prevê pena de até 6 anos de prisão. Vale lembrar que as partidas da Seleção foram adiadas por conta do surto de coronavírus.

Na madrugada do dia 29 de fevereiro, Bruno foi parado em uma blitz da “Lei Seca”, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O jogador se negou a testar o bafômetro e apresentou uma CNH de São Paulo, que não constava nos registros do DETRAN RJ.

O atleta do time da Gávea ainda foi levado à Delegacia e foi multado por dirigir sem uma CHN válida, além da punição pela recusa ao teste que quantifica o nível de álcool no sangue.

Nesta quarta-feira, pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores, Bruno Henrique marcou um dos gols da vitória do Flamengo por 3 a 0 contra o Barcelona de Guayaquil (EQU). O próximo jogo do Rubro-Negro será neste sábado, às 18h, no Maracanã, pela Taça Rio.