Na manhã desta segunda-feira (02), a Polícia Federal, em ação da Operação Tartufo II, cumpriu dois mandados de prisão preventiva em Belém, expedidos pela 3º Vara Federal do município. Os presos estavam envolvidos na Operação Tartufo I, deflagrada em 13 de fevereiro, que desarticulou uma associação criminosa especializada em fraudar a Previdência Social na região do Pará, mediante a utilização de documentos falsos para a obtenção indevida de benefícios previdenciários.

A prisão foi decretada em razão da identificação de novos benefícios previdenciários fraudados pelo grupo criminoso em nome de pessoas inexistentes, com a utilização de documentos falsos, como certidões de nascimento, certidões de casamento, certidões de óbito, títulos de eleitor, carteiras de habilitação, entre outros.

Os envolvidos mantinham sob seu poder mais de sete benefícios previdenciários já identificados em nome de pessoas fictícias, de onde obtinham grande parte de seus rendimentos. Muitos desses benefícios foram concedidos há muitos anos, sendo o mais antigo desde o ano de 2007, ocasionando um prejuízo de mais de dois milhões de reais aos cofres públicos.

De posse dos cartões dos benefícios fraudados, os valores dos benefícios eram transferidos diretamente pelos envolvidos via máquinas de débito para conta mantida em bancos digitais. Outros benefícios previdenciários possivelmente fraudados pelos envolvidos ainda estão sendo identificados pela Polícia Federal.

Os envolvidos, presos nesta segunda, permanecerão à disposição da Justiça, e responderão pelos crimes de associação criminosa, estelionato e uso de documento falso. O nome “Tartufo”é um termo utilizado para identificar pessoa que dissimula ou enganador.