A comissária de bordo Débora Welker foi a primeira mulher a vir a público expor que as atitudes de desrespeito com mulheres do hipnólogo e youtuber Pyong Lee, participante do Big Brother Brasil 20, não se restringem a festa ou ao programa. Após a festa do BBB do último sábado (8) chamada “Guerra e Paz” e uma série de tweets de influencers famosos, como Felipe Neto e Dora Figueiredo, dando a entender que Pyong não é o aparenta, Débora divulgou um vídeo contando uma chantagem de Pyong há quatro anos.

No vídeo divulgado nos stories, Débora conta que teve um rápido relacionamento com Pyong que aconteceu quando eles se conheceram em uma festa e os dois ficaram. A comissária de bordo disse que o Pyong falou que era solteiro e buscava um relacionamento sério, porém logo após os dois começarem a se relacionar, o hipnólogo revelou que já namorava. A situação deixou a comissária revoltada. Ela terminou com ele.

Depois de terminar o relacionamento, dois meses depois Débora foi a uma festa e ficou com um outro rapaz. Lá o jovem disse que estava com um amigo, e este amigo era Pyong. “Quem era? Sim, ele [Pyong]. A gente fingiu que não se conhecia e ele esperou o menino ir no banheiro. Pedi a ele para não contar para o amigo que a gente já tinha ficado, já que não tinha sido nada demais. Ai ele: ‘É, eu não vou falar, mas você vai ter que continuar ficando comigo’. Ele me chantageou para eu continuar saindo com ele”, acusou Débora. 

Segundo informações do colunista Léo Dias, após divulgar o vídeo, Débora contou ter recebido muitas mensagens de solidariedade e algumas de meninas que ficaram com Pyong. Elas revelaram já ter sofrido com relacionamentos abusivos com o hipnólogo. “Resumindo, ele trata as mulheres como lixo, como ninguém”, declarou Débora ao colunista do UOL. Para ela, outras histórias de Pyong ainda surgirão. “Daqui para frente só vão surgir mais e mais histórias, pode apostar”, declarou.

A assessoria de imprensa de Pyong Lee falou o youtuber disse que após a festa no último sábado (8), os representantes do brother começaram a notar uma série de ataques ao hipnólogo. Eles reforçaram que Pyong Lee já se desculpou pelos excessos daquele dia. Por estar confinado no BBB20, “infelizmente [Pyong] não pode se defender pessoalmente. O que facilita o surgimento de acusações e acusadores. Principalmente por ser um programa de muita audiência. Mas nós conhecemos ele e a família profundamente, a ponto de sinceramente acreditarmos que esse episódio não é condizente com a personalidade e caráter do Pyong Lee. Quando esses assuntos aparecem, nos chamam a atenção. E a gente faz questão de apurar com a família, amigos, gente do convívio diário do Pyong, até para evitar sermos surpreendidos por qualquer desdobramento”, declarou a assessoria.

Sobre as acusações da comissária a assessoria indagou o motivo da acusação só vir a público agora, já que “Pyong é uma figura pública há alguns anos – desde antes de entrar no programa. E esse assunto só surgiu agora, sendo que a alegação é que o episódio tem 4 anos. Lamentavelmente, o Pyong só poderá se manifestar sobre quando sair da casa do BBB. O que a gente espera que seja só após a final”, finalizou.

Fonte: O Liberal