Nesta quarta-feira (12) encerram as inscrições para o benefício do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies ou Fies Juro Zero). Há 100 mil vagas disponíveis para essa modalidade, que podem ser usadas para acessar vagas em diversas universidades particulares do Brasil. Essa vem sendo a oferta desde 2018, quando programa passou por mudanças. Mas no ano que vem, o governo Bolsonaro pretende reduzir para 54 mil vagas em 2021 e 2022. É preciso acessar o site do programa.

Tanto no Fies Juro Zero quanto no P-Fies, o estudante só começa a pagar a dívida contraída depois que se formar, na forma do contrato. A parcela devida é descontada na fonte. Caso ainda não tenha emprego e renda formal, o financiamento será quitado em prestações mensais equivalentes ao pagamento mínimo.

O Fies Juro Zero é destinado a estudantes que comprovem ter renda familiar per capita de até três salários mínimos. No ano que vem, além da redução de vagas, há apenas uma mudança prevista: um dos pré-requisitos era não zerar a redação do Enem, mas agora será necessário obter nota mínima de 400 pontos. A média mínima para as provas objetivas continua sendo 450. Os contratos sem juros são operados pela Caixa e pelo Banco do Brasil.

Até o final deste primeiro semestre, a outra vertente do Novo Fies — o Ministério da Educação tem chamado assim —, que é o Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies) não tem alterações e nem há um limite específico de vagas. Nesse, há cobrança de juros entre 8% e 12%, que varia de acordo com a instituição financeira.

Por enquanto, o P-Fies é destinado a estudantes com renda familiar per capita de até cinco salários mínimos. A partir do segundo semestre, o limite de renda será removido, continuará sem limite de vagas e poderá ser feito a qualquer momento do ano. No primeiro momento do P-Fies, foram 150 mil vagas. No ano passado, foram 450 mil. Os pré-requisitos são os mesmos para o Fies Juro Zero.

“O estudante vai cursar e a parte financiada ele vai pagar só depois de formado. Mas como o empréstimo é contingente a renda, nós vamos cobrar dele o percentual da renda que varia de 8 a 12 por cento. Se ele não tiver emprego, ele vai continuar pagando a parcela mínima que é a que ele pagava quando estudava. E quando ele tiver emprego, ele retoma o pagamento das mensalidades”, explica o coordenador Geral de suporte operacional do Financiamento Estudantil, Flávio Carlos Pereira.

A divulgação dos resultados está prevista para 26 de fevereiro.  A complementação da inscrição pelos candidatos pré-selecionados na modalidade Fies será de 27 de fevereiro até as 23h59 de 2 de março.  A convocação da lista de espera será de 28 de fevereiro até as 23h59 de 31 de março.

Em dezembro do ano passado, num levantamento do MEC, 567 mil dos 1,5 milhão de contratos — cerca de 47% do total —, em todo o Brasil, estavam com 90 dias ou mais de atraso. Desses, quase 8 mil eram paraenses. Somente 2% dos estudantes, na mesma época, procurou o órgão para a renegociação das dívidas. A inadimplência tem sido uma justificativa constante para a redução da oferta de vagas.

Fonte: O Liberal