O professor e fundador do Grupo Madre Celeste Amintas José Quingosta Pinheiro, de 62 anos, está sendo velado nesta quinta-feira (6) em uma capela mortuária particular, localizada na avenida José Bonifácio, entre rua dos Caripunas e rua Paes de Souza, no bairro do Guamá. O educador foi assassinado a tiros na noite da última quarta-feira (5), por volta de 23h

Durante o velório, familiares, amigos, estudantes e professores da Esmac chegaram no final da manhã para prestar as últimas homenagens ao educador. Funcionários e alunos da instituição de ensino, muito emocionados, compareceram ao velório do professor uniformizados com a vestimenta da Esmac. Instituições de ensino superior e entidades como Fundação de Atendimento Socioeducativo do Estado do Pará (Fasepa), além de autoridades políticas, como o governador do Estado do Pará Helder Barbalho e o vice-governador Lúcio Vale, enviaram homenagens ao educador.

A família aguarda a chegada da filha mais nova do professor, que estava em Portugal quando soube do assassinato do pai. A esposa do professor, Nilse Pinheiro, também estava fora da capital paraense quando foi informada do crime. Ela estava participando de uma audiência pública em Marabá, no sudeste do Pará, representando a Alepa no Conselho Estadual de Educação, quando soube do atentando contra o marido. A deputada chegou ao velório muito abalada e precisou ser medicada.

O corpo do educador será cremado esta semana em um cemitério particular de Marituba, na região metropolitana de Belém. O docente deixou três filhos, quatro netos e esposa. Ele era um dos fundadores do Grupo Madre Celeste, criado há 37 anos. O Grupo é formado por quatro escola e uma faculdade. Além disso, o educador mantinha dois projetos sociais educacionais gratuitos em parceira com a esposa. Amintas e Nilse Pinheiro eram casados há 38 anos.

Fonte: O Liberal.