O desafio do Estado do Pará de administrar, com a participação da sociedade civil, o funcionamento de 26 Unidades de Conservação estaduais (UCs) norteará explanações e debates no I Seminário de Unidades de Conservação Estaduais do Pará, a ocorrer na próxima sexta-feira (7). O evento é uma iniciativa do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), por meio da Diretoria de Gestão e Monitoramento de Unidades de Conservação (DGMUC).

O seminário será realizado de 8h as 17h30, no auditório do Ideflor-bio, e servirá para o intercâmbio de experiências e informações, em que os gestores de Unidades de Conservação estaduais, administradas pelo Ideflor-bio, deverão expor suas contribuições na gestão, abordando temas que envolvem as questões ambientais, sociais e econômicas dessas UCs.

Como adianta o Ideflor-bio, o foco principal será a apresentação da situação atual das 26 Unidades de Conservação estaduais, bem como mostrar as potencialidades e as necessidades de pesquisa, visando o manejo adequado dos recursos naturais.

As inscrições para participar do seminário são gratuitas, porém limitadas a um público de, no máximo, 50 pessoas. Ao final cada participante receberá um certificado com carga horária de 8 horas. A sede do Ideflor-bio funciona na avenida João Paulo II, s/ nº, no bairro do Curió-Utinga. As inscrições podem ser feitas por meio do endereço seminario.ideflorbio@gmail.com.

O participante deve inscrever-se por e-mail, encaminhando os seguintes dados: nome completo; número de RG; Instituição/ profissão; e-mail e telefone.

O tema central do evento é “Desafios para Implementação, Consolidação e Gestão das Unidades de Conservação Estaduais do Pará”. O evento é voltado à participação de servidores do Ideflor-bio, profissionais que atuam na área ambiental de órgãos e entidades ligadas ao meio ambiente, como a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Instituto de Terras do Pará (Iterpa), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG), Embrapa Amazônia Oriental, além de instituições de ensino superior como a Universidade Federal do Pará (UFPA),Universidade do Estado do Pará (Uepa) e Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra).

Fonte: O Liberal.