Na manhã desta segunda-feira (03), membros da Comissão Permanente de Análise de Crimes de Homicídios se reuniram para discutir as ações de investigação acerca dos crimes ocorridos durante o final de semana. O encontro, que acontece semanalmente, contou com a participação de um representante do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.

Na reunião, foram abordadas as linhas de investigação dos casos que aconteceram no bairro do Jurunas na última sexta-feira (31) e na madrugada desta segunda-feira (3). No primeiro caso, um homem chamado David Geovane Souza Chaves e uma mulher foram mortos, enquanto uma criança também foi baleada, mas sobreviveu. O caso foi na travessa Dr. Veiga com a rua Carlos de Carvalho.

No outro crime, na madrugada de segunda, pai e filha foram vítimas de bala perdida enquanto retornavam de uma festa de aniversário. O homem identificado como Valberson Lameira dos Santos e sua filha de apenas 2 anos foram atendidos e levados para um hospital particular. Segundo informações de testemunhas, os atiradores saíram de um carro de cor prata e começaram a disparar contra um homem, na passagem São Silvestre, por volta de 2h. José Antônio Leal Cunha que seria alvo dos atiradores, morreu ainda no local.

Nos dois crimes, segundo a Polícia Civil, as duas vítimas fatais,que seriam os alvos dos criminosos, já tinham passagem pela polícia. Um deles usava tornozeleira eletrônica.

“David Geovane Souza Chaves, conhecido como ‘Pique’, já tinha antecedentes criminais. Ele, inclusive, estava sendo monitorado eletronicamente por tornozeleira e, pela dinâmica do ocorrido, efetivamente, ele era o alvo. Entretanto, os seus algozes num primeiro instante, não conseguiram acertá-lo. Os tiros acabaram acertando Juliete da Silva Pinheiro, que veio a óbito. O filho da mesma também foi baleado e encaminhado para um hospital. Sobre o segundo caso, que levou José Antônio Leal Cunha a óbito, as primeiras informações apontam que ele apresentava antecedentes criminais por furto, e que tal qual a dinâmica anterior, os seus algozes também não conseguiram acertá-lo no primeiro instante, atingindo mais duas pessoas: um adulto e uma criança”, explicou o Diretor de Polícia Especializada, delegado Sérvulo Cabral.

Os dois crimes serão investigados pela Divisão de Homicídios. As equipes da Polícia Civil realizam diligências pelo bairro e já tem uma linha de investigação.

A Comissão Permanente de Análise de Crimes de Homicídios é uma iniciativa inédita com o compromisso de solucionar de forma rápida as ocorrências registradas. A equipe de trabalho conta com representantes da Diretoria de Polícia Metropolitana (DPM), Diretoria de Polícia Especializada (DPE), Núcleo de Inteligência Policial (NIP) e Diretoria de Informática e Estatística (Dime), que trabalharão nas investigações até identificarem os autores dos crimes.

Fonte: Jornal Amazônia.