Passageiros que desembarcam nos principais aeroportos do Brasil já ouvem mensagens de alerta sobre o coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e mais de 7,7 mil infectados pelo mundo. As mensagens de um minuto de duração – em português, inglês e mandarim – informam sobre os sintomas da doença e as medidas para evitar a transmissão. Mas, diferentemente de terminais da Europa e dos Estados, não serão usados scanners térmicos para detectar passageiros com febre. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), esses aparelhos têm pouca efetividade para identificar casos suspeitos.

Nesta semana, os aeroportos de Roma e Milão, na Itália, passaram a usar aparelhos portáteis para medir a temperatura corporal dos passageiros que lá desembarcam. Nos Estados Unidos, onde essa tecnologia já é mais comum, equipamentos do tipo têm sido usados em algumas cidades desde a semana passada.

Passageiros que desembarcam nos principais aeroportos do Brasil já ouvem mensagens de alerta sobre o coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e mais de 7,7 mil infectados pelo mundo. As mensagens de um minuto de duração – em português, inglês e mandarim – informam sobre os sintomas da doença e as medidas para evitar a transmissão. Mas, diferentemente de terminais da Europa e dos Estados, não serão usados scanners térmicos para detectar passageiros com febre. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), esses aparelhos têm pouca efetividade para identificar casos suspeitos.

Nesta semana, os aeroportos de Roma e Milão, na Itália, passaram a usar aparelhos portáteis para medir a temperatura corporal dos passageiros que lá desembarcam. Nos Estados Unidos, onde essa tecnologia já é mais comum, equipamentos do tipo têm sido usados em algumas cidades desde a semana passada.

LEIA TAMBÉM

Surto já ultrapassa epidemia de Sars em número de infectados na China

China suspende futebol no país para conter disseminação do coronavírus

Suspeita de coronavírus deixa milhares de passageiros retidos em cruzeiro italiano

Coronavírus na China pode impulsionar exportações de carne do Brasil

São José dos Campos notifica 1º caso suspeito de coronavírus no interior de SP

Sentimento anti-China se espalha no exterior junto com coronavírus

O scanner é um instrumento portátil com uma tela que, com o auxílio de sensores eletrônicos, muda de cor de azul para vermelho em caso de febre. A cor muda quando a temperatura do corpo excede 37,5° C. Nesse caso, o alerta é acionado, e o passageiro é confiado ao sistema de saúde para uma possível quarentena. Às vezes, é preciso que cada passageiro fique na frente do scanner por alguns segundos para verificar a temperatura, mas as máquinas mais sofisticadas conseguem acionar seus sensores mesmo na multidão, para acelerar também os procedimentos de controle.

Em nota, a Anvisa informou que o uso de scanners não é obrigatório nem é indicado como ação preventiva, já que sua efetividade é baixa na detecção dos casos. “Isso ocorre porque os casos em que a pessoa não está manifestando os sintomas não são captados pelo scanner.”

Segundo a agência, o foco da ação nos aeroportos é garantir a adoção de medidas preventivas para a comunidade aeroportuária, fazer com que os procedimentos de desinfecção e limpeza das aeronaves sejam realizados corretamente e encaminhar os casos de pessoas que estejam manifestando sintomas.

A orientação passada pela Anvisa aos aeroportos é para que os órgãos sanitários sejam notificados imediatamente em caso de suspeita – pessoas que estão em vias de desembarque e apresentam sintomas como tosse, febre e dificuldade para respirar. No caso dos passageiros a bordo, os tripulantes foram orientados a informar o comandante do voo se houver suspeita. Este, por sua vez, fará contato com a torre de controle do aeroporto, que acionará a Anvisa.

O passageiro com sintomas será abordado antes do desembarque para a checar a situação. A Anvisa aciona o serviço médico do aeroporto e a vigilância sanitária do município e a equipe vai a bordo para avaliar o paciente.

Se o médico descartar o caso, o desembarque dos passageiros é liberado. Caso a suspeita seja mantida, o passageiro doente é removido para um hospital de referência. Os demais passageiros são entrevistados pela vigilância epidemiológica para que possam ser monitorados. A aeronave passa por desinfecção, inclusive dos efluentes.