Maria Glória Poltronieri Borges tinha 25 anos e, além de bailarina, ela era estudante universitária. Mas sua vida foi interrompida por mais um ato de brutalidade infelizmente comum no Brasil. Ela estava em uma chácara na área rural de Mandaguari (PR). A vítima havia ido com a mãe. Maria Glória ficou no local porque iria acampar. Com a falta de contato com a dançarina, a família resolveu retornar ao local e encontrou o corpo da jovem com sinais de violência sexual no domingo (26).

Segundo a polícia, tudo leva a crer que a vítima foi morta por asfixia, com extrema crueldade. Maria Glória não chegou a montar o acampamento, segundo a dona da chácara. Antes disso, resolveu dar uma volta em uma trilha que leva a uma cachoeira. Nessa mesma chácara, segundo a proprietária, havia um grupo treinando para ser socorrista. E a polícia investiga se há a participação de um dos integrantes do grupo no crime.

 “Não podemos descartar nenhuma possibilidade. Assim que possível vamos ouvir os familiares e também pessoas que participaram de um treinamento da Defesa Civil que ocorreu no local no sábado”, destacou o delegado ao G1.

“Era uma pessoa extremamente dedicada à dança, às artes cênicas, à vida. Estava sempre cercada de amigos e da natureza. Não conseguimos dimensionar a crueldade deste mundo, como isso pode existir?”, questionou um amigo no velório, que aconteceu nesta segunda-feira (27).