REPRODUÇÃO

O Governo de Minas Gerais voltou atrás e não passa mais a tratar como suspeita de coronavírus o caso de uma mulher internada em um hospital de Belo Horizonte com sintomas da doença respiratória. 

Nesta quarta-feira (22), a SES/MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) informou que investiga o caso de uma paciente que esteve em Xangai, na China, e desembarcou na capital mineira no último sábado com problemas respiratórios. Ela está internada no Hospital Eduardo de Menezes, na região do Barreiro e, até ontem, o caso era tratado como suspeita do novo coronavírus.PUBLICIDADE

No entanto, a secretaria voltou atrás depois que o Ministério da Saúde descartou o caso como suspeito. Para o governo federal, como a paciente não esteve em Wuhan, região de transmissão ativa da doença no país asiático, e também não teve contato com pessoas com sintomas da doença, o caso não poderia ser enquadrado como suspeito, de acordo com protocolo da OMS (Organização Mundial da Saúde).   

Em nota, o Ministério da Saúde esclarece que só é considerado como caso suspeito do novo coronavírus, “paciente com sintomas da doença, como febre, tosse e dificuldade para respirar. Além disso, o paciente precisa ter viajado para área com transmissão ativa do vírus nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas”.

Precaução

De acordo com a SES/MG para evitar disseminação de uma nova doença, ainda desconhecida e por “precaução”, a secretaria optou pelo isolamento da paciente. Além disso, foram coletadas amostras laboratoriais para fazer exames de vírus respiratórios.