A Operação da Polícia Federal de hoje, em Belém, desdobramento da Java Jato, investiga o pagamento de uma propina de R$ 1.500.000,00, em três parcelas de R$ 500 mil, para a campanha de Helder Barbalho em 2014, quando disputou e perdeu a eleição para o governo do Pará.
A denuncia foi feita pelo ex-presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis, e pelo diretor-superintendente da empresa, Mário Amaro da Silveira.
O ex-senador Luiz Otávio Campos, preso hoje pela Polícia Federal, foi denunciado pelos executivos da Odebrecht como o intermediário para o pagamento das propinas para a campanha de Hélder Barbalho.