Era só mais um dia de trabalho para a comissária de bordo Eden Garrity, de 27 anos. Ela empurrava um carrinho pelo corredor em voo que seguia de Cuba à Inglaterra, quando a aeronave atravessou uma tempestade violenta sobre o Oceano Atlântico, despencando repentinamente cerca de 150 metros. Eden foi jogada ao chão violentamente, resultando em cinco fraturas na fíbula, na tíbia e no tornozelo, além der ter um dos pés fraturado. O caso parou na Justiça.

“A força da turbulência me prendeu ao chão e meu tornozelo se rompeu completamente”, disse Eden.

O acidente, que ocorreu em agosto do ano passado, apenas agora foi noticiado pelo “Sun”, da Inglaterra, pois virou caso de Justiça. Para piorar a situação de Eden, ela acabou dispensada pela companhia aérea um mês depois. A moça ainda não se recuperou totalmente e continua desempregada.

Ela foi à Justiça para ser indenizada pela companhia Thomas Cook, para a qual trabalhava. Segundo os investigadores, a aeronave atingiu a tempestade apenas cinco segundo após o piloto anunciar que a tripulação deveria se sentar, o que é considerado um tempo irrisório para a ação dos profissionais a bordo.

Em setembro, a Thomas Cook anunciou falência, sendo comprada dois meses depois pelo grupo chinês Fosun