O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA) afirma que materiais escolares foram reajustados bem acima da inflação, estimada em 4,1%. A pesquisa foi divulgada nesta segunda-feira (6) e abrange levantamento feito de 30 de dezembro de 2019 a 4 de janeiro deste ano em lojas de departamentos, papelarias e livrarias da Grande Belém, como também no mercado popular.

Trata-se da primeira pesquisa do Dieese/PA sobre o custo do material escolar em 2020, abrangendo cerca de 50 itens, como cadernos, lápis, canetas, borrachas, lápis de cor, massa para modelar, lancheiras e mochilas.

Segundo o Dieese/PA, os cadernos estão entre os itens mais caros neste ano em relação ao mesmo período do ano passado, com reajustes no preço que podem chegar a 10%.

Caneta BIC, que era encontrada a R$ 0,80 a unidade, em 2019, neste ano, segundo o levantamento, tem o preço médio de R$ 0,90, totalizando um reajuste de 12,50%.

Outra alta considerável foi do lápis preto nº 2 Faber Castell, cuja unidade custava R$ 0,70 em 2019 e agora custa em média R$ 0,80, significando um reajuste de 14,28%.

Já a resma de Papel Chamex, com 500 folhas, tamanho A4, ficou apenas um pouco acima da inflação, com reajuste médio de 4,90%. No ano passado custava R$ 20,40 e neste ano está a R$ 21,40