DIVULGAÇÃO

Após dois filmes de sucesso, lançados em 2013 e 2016, “Minha Mãe É Uma Peça” chega ao seu terceiro longa, que estreia hoje nos cinemas do Brasil e traz como idealizador e protagonista,  Paulo Gustavo, tido como um dos principais
humoristas do Brasil.

Na nova trama, Hermínia (Gustavo) se vê novamente desafiada pelas mudanças na vida de seus filhos, Juliano (Rodrigo Pandolfo), que conta estar noivo de Thiago (Lucas Cordeiro), e Marcelina (Mariana Xavier), que anuncia sua gravidez do namorado Sol (Cadu Fávero).

Solteira, com mais de sessenta anos e sem conseguir ajudar os filhos nos preparos do casamento e da chegada do bebê, a personagem agora vive de idas à feira e tours com outras senhoras entre Rio de Janeiro e Niterói, em meio a vários encontros e desencontros com seu ex-marido, Carlos Alberto (Herson Capri). Na sequência da franquia, novos personagens surgem para deixar a mãe mais amada do Brasil com os bobes para o alto. Já não bastasse o namorado de Marcelina que parece ter poucas habilidades para ser pai, eis que surge Ana (Stella Maria Rodrigues), a sogra de Juliano, que chega para atormentar a vida de todos.

São tantas novidades que Hermínia vai parar em Los Angeles com Dona Lourdes (Malu Valle) para relaxar e também se redescobrir. Com direção de Susana Garcia, a comédia também tem no elenco Samantha Schmütz, Alexandra Richter,
Patrycia Travassos, Malu Valle e Bruno Bebianno.

A franquia “Minha Mãe É Uma Peça” é baseada na peça de mesmo nome, criada e estrelada por Paulo Gustavo que levou milhões de espectadores ao teatro ao longo dos anos em cartaz. Lançados em 2013 e 2016, os dois primeiros filmes levaram juntos mais de 13 milhões de espectadores aos cinemas com uma arrecadação total de R$173.798.332,00.

Bom humor permanece em meio às mudanças

Nesta terceira maratona humorística há menos piadas com gordofobia, diminuição de humor com estereótipos gays e aumento das piadas com doença e saúde e cada vez mais gracinhas citando famosos. A fórmula é a mesma que fez sucesso no teatro: o tema central é a relação de uma mãe com seus filhos. Hermínia é inspirada na mãe de Paulo Gustavo, que sempre aparece nos finais dos filmes, em vídeos gravados pelo ator. Por isso, há tantas piadas com comida, supermercado, sair à noite, namorados… 

No último longa da personagem, Dona Hermínia teve que lidar com a “síndrome do ninho vazio”, já que seus filhos, Juliano e Marcelina, resolvem sair de casa. A comédia bateu, na época, o recorde de maior renda do cinema brasileiro e
foi a maior bilheteria entre os filmes nacionais do ano, com público superior a 9 milhões de pessoas.