Na manhã de hoje 11.12.2019, o Ministério Público, em conjunto com o Juiz local, e a PM, fizeram cumprir mandato de busca e apreensão na Câmara Municipal de Igarapé Miri. Os alvos são os vereadores, Kadheq (MDB), Toninho do Murutinga (PSB) e Rufino Leão (PMN), Geo e Mimim Bastos.

Leia a nota do Ministério Público sobre o caso:

Igarapé-Miri: MP cumpre mandados de busca e apreenção na Câmara Municipal de Igarapé-Miri.

Cinco vereadores são alvos da operação deflagrada na manhã desta quarta-feira, 11.

Quem esteve presente na Câmara Municipal de Igarapé-Miri na manhã desta quarta-feira, 11, acompanhou toda a movimentação atípica na casa de leis da cidade.

Enquanto vereadores, assessores e demais servidores aguardavam o início de mais uma sessão para votação de projetos e demandas do município, agentes da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) entraram no local para cumprir mandado de busca e apreensão nos gabinetes de cinco vereadores. Três deles foram identificados: Kadheq (MDB), Toninho do Murutinga (PSB) e Rufino Leão (PMN), além de outros dois que ainda não tiveram os nomes divulgados.

Os vereadores foram encaminhados para a delegacia geral da Polícia Civil, precisamente na Diretoria Estadual de Combate à Corrupção (DECOR). De lá serão encaminhados para o CPC para exame de corpo de delito e depois entregues ao sistema penal pela Polícia Civil.

As investigações apontam que os vereadores participam de um grupo criminoso montado para praticar crimes e se aproveitarem da influência que possuem em Igarapé-Miri. O grupo é suspeito de cometer crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, estelionato, coação no curso do processo, além de falsificação de documentos.

A busca e apreensão ocorreu na residência e local de trabalho dos investigados, vereadores Antônio Cardoso Marques (Toninho do Murutinga- residente da Câmara), Mario Jelffison Farias Pantoja (Kadheq) e Ruffino Leão e Gelffson Brandão Lobo (professor Gel-secretário municipal) e o empresário Manoel Fonseca Bastos Filho (Mimi Bastos).

Durante as investigações o Ministério Público constatou, por exemplo, a compra de votos para doação de um terreno pertencente ao Município de Igarapé-Miri, com aproximadamente 18.000 m², no centro da cidade, ao empresário Manoel Fonseca Bastos Filho (Mimi Bastos), dono de um dos maiores supermercados da cidade.

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2424231994572895&id=1468414250154679

Kadheq, Murutinga, Rufino, Geo, Mimim Bastos, além de vários documentos. Os parlamentares são acusados por vários crimes de improbidade administrativa e a maioria deles são aliados do atual prefeito Peso Pesado e do governador Helder Barbalho, ambos do MDB.

Leia abaixo a matéria do Ministério Público do Estado do Pará:

Igarapé-Miri: MP cumpre mandados de busca e apreenção na Câmara Municipal de Igarapé-Miri.

Cinco vereadores são alvos da operação deflagrada na manhã desta quarta-feira, 11.

Quem esteve presente na Câmara Municipal de Igarapé-Miri na manhã desta quarta-feira, 11, acompanhou toda a movimentação atípica na casa de leis da cidade.

Enquanto vereadores, assessores e demais servidores aguardavam o início de mais uma sessão para votação de projetos e demandas do município, agentes da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) entraram no local para cumprir mandado de busca e apreensão nos gabinetes de cinco vereadores. Três deles foram identificados: Kadheq (MDB), Toninho do Murutinga (PSB) e Rufino Leão (PMN), além de outros dois que ainda não tiveram os nomes divulgados.

Os vereadores foram encaminhados para a delegacia geral da Polícia Civil, precisamente na Diretoria Estadual de Combate à Corrupção (DECOR). De lá serão encaminhados para o CPC para exame de corpo de delito e depois entregues ao sistema penal pela Polícia Civil.

As investigações apontam que os vereadores participam de um grupo criminoso montado para praticar crimes e se aproveitarem da influência que possuem em Igarapé-Miri. O grupo é suspeito de cometer crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, estelionato, coação no curso do processo, além de falsificação de documentos.

A busca e apreensão ocorreu na residência e local de trabalho dos investigados, vereadores Antônio Cardoso Marques (Toninho do Murutinga- residente da Câmara), Mario Jelffison Farias Pantoja (Kadheq) e Ruffino Leão e Gelffson Brandão Lobo (professor Gel-secretário municipal) e o empresário Manoel Fonseca Bastos Filho (Mimi Bastos).

Durante as investigações o Ministério Público constatou, por exemplo, a compra de votos para doação de um terreno pertencente ao Município de Igarapé-Miri, com aproximadamente 18.000 m², no centro da cidade, ao empresário Manoel Fonseca Bastos Filho (Mimi Bastos), dono de um dos maiores supermercados da cidade.