O ex-presidente e ex-candidato à Presidência da Bolívia Carlos Mesa reagiu ao anúncio da renúncia de Evo Morales, negando que o processo que levou à este desfecho tenha sido um golpe de Estado.

“Não vamos dar ao ditador tirânico que renunciou a oportunidade de dizer que se trata de um golpe de Estado, porque não houve um golpe de Estado”, afirmou Mesa a repórteres, em meio às comemorações nas ruas de La Paz pela queda de Morales.

Ele respondia ao questionamento de um jornalista sobre a sucessão constitucional, agora que os cargos de presidente e vice-presidente estão vagos. O vice de Morales, Alvaro Linera, também renunciou.

Pela Constituição boliviana, a atual presidenta do Senado, Adriana Salvatierra, deve assumir o cargo. No entanto, Mesa defende que os senadores busquem uma solução para que, nas suas palavras, “nenhum representante do MAS [partido de Evo Morales] esteja à frente do processo político” neste momento.

Adriana é uma das mais jovens políticas da história da Bolívia e foi eleita pelo MAS em 2015 pelo departamento de Santa Cruz de la Sierra, justamente um reduto de oposição a Morales.