No Festival de Música Brasileira os alunos demonstram o que aprenderam durante as aulas no Instituto Carlos Gomes (Divulgação)

o músico convidado é o maestro Aylton Escobar e a musicista homenageada, Enid Barroso Rebello. O festival é um laboratório musical, criado há mais de três décadas, por iniciativa da professora do IECG e pianista Dóris Azevedo. De acordo com o diretor de Ensino do IECG, Joel Praseres Costa, a participação dos alunos é essencial, pois os concertos são uma oportunidade de contato com o público.

“O Festival tem como objetivo principal proporcionar aos alunos a vivência da música no palco. No dia a dia, nossos alunos ficam diretamente na sala de aula estudando e, estar em cima do palco, enfrentando o público, é completamente diferente disso, além de que este momento tem toda uma mística de subir lá e tocar, muitas vezes, para uma plateia especializada”, ressaltou.

Este ano, a musicista homenageada é a paraense Enid Barroso Rebelo, uma das mais proeminentes professoras do Conservatório Carlos Gomes, tendo formado uma geração de pianistas que se destacaram no cenário musical. Já o músico convidado é o maestro e compositor Aylton Escobar, que durante três dias do Festival estará em Belém para interagir com os alunos.

Dentre as composições que serão apresentadas durante o festival estão algumas do compositor e regente Aylton Escobar, que é um dos homenageados deste ano. Natural de São Paulo (SP), iniciou os estudos de piano com Carmem Nilde da Fonseca, na Escola Chiafarelli, ingressando depois na Academia Paulista de Música, onde recebeu aulas de piano com Nair Medeiros, e de composição com Osvaldo Lacerda. Prosseguiu os estudos de composição com Camargo Guarnieri, no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo.

Depois de se graduar pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e criar música para teatro, partiu para os Estados Unidos com o objetivo de estudar música eletroacústica na Columbia University, em Nova York. Nessa época, foi várias vezes premiado, nacional e internacionalmente, como compositor. Também começou a carreira de regente, tendo aulas com Alceo Bocchino e Fancisco Mignone.

Aylton Escobar foi diretor da Escola de Música Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, e depois dirigiu a Universidade Livre de Música Tom Jobim, em São Paulo, e o Festival Internacional de Música de Campos de Jordão (SP). A partir dos anos 1980 tornou-se regente de várias orquestras brasileiras, atuando também como professor de Orquestração e Regência do Departamento de Música da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP), onde também foi regente adjunto da Orquestra Sinfônica e de Câmara. É um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea e membro da Academia Brasileira de Música.