Divulgação

O show especial de final de ano de Roberto Carlos em dezembro já é uma tradição nacional na televisão brasileira. Agora, ele vai migrar essa tradição para o cinema com “Roberto Carlos em Jerusalém 3D”, o primeiro show do artista gravado em 3D, que será lançados nas salas de cinema pelo país no próximo dia 2 de dezembro. O projeto coroa a celebração pelos 60 anos de carreira. O filme/show lançado pela H2O Films e Globo Filmes tem a direção de Jayme Monjardim e narração de Glória Maria, além de ter um trailer com a narração de Cid Moreira.

O show foi gravado na Terra Santa, em um palco de mais de 1 mil metros quadrados no Sultan´s Poll (Piscina do Sultão), próximo ao Monte Sião, junto às muralhas da Cidade Velha de Jerusalém, e emocionou uma plateia de 5.500 pessoas. A apresentação fez parte, em 2011, do Projeto “Emoções Jerusalém”.

“Dirigir Roberto Carlos foi a coisa mais importante na linha de shows que já fiz até hoje. Realmente foi um momento único. A gente se preparou vários meses para imaginar o que seria um show do Roberto em Jerusalém. Envolvia uma terra diferente, com sentimentos diferentes, com emoções diferentes. O cenário veio da Jordânia, e como não se via Jerusalém de onde o palco estava, decidimos recriar a cidade atrás do Roberto, justamente para poder ter essa sensação de estarmos lá”, descreve Monjardim.

O cinema não é uma novidade para Roberto Carlos, que atuou na telona com seus filmes nos Anos 60 e 70. “Mas o cinema 3D permite esse olhar profundo, essa sensação de distanciamento entre um ângulo e outro. Poder sentir essa emoção de ser transportado para Jerusalém, escutando Roberto e suas músicas incríveis, é um presente para o nosso fim de ano”, conta o diretor.

O filme traz o registro do show com a apresentação de clássicos como “Além do horizonte”, “Como é grande o meu amor por você”, “Jesus Cristo”, e surpresas como as músicas “Detalhes”, cantada em português, espanhol, inglês e italiano, e “Jerusalém toda de ouro” (Yerushalaim shel zarav), interpretada em hebraico, com o apoio de um coral de 30 brasileiros que vivem em Israel. Roberto foi acompanhado por sua orquestra de 17 músicos, regida pelo maestro Eduardo Lages, além de mais 12 músicos israelenses nos instrumentos de cordas.

O filme inclui cenas da viagem de Roberto Carlos à Terra Santa, incluindo a passagem por locais históricos como a Basílica do Santo Sepulcro, o Jardim das Oliveiras, o Sítio Arqueológico Ha´Ofel, o Muro das Lamentações e o Monastério de São Jorge.