O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio da Promotoria de Justiça de Jacundá, instaurou procedimento administrativo para cobrar da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), da Delegacia de Repressão a Roubo a Bancos e Antissequestro (DRRBA) e da Polícia Militar apresentação de medidas de prevenção para o enfrentamento da criminalidade no município.

O promotor de Justiça Sávio Ramon Batista da Silva requisitou providências às autoridades de segurança diante dos recentes assaltos às agências bancárias de Jacundá.

Na madrugada desta terça-feira (22) ocorreu uma tentativa de assalto ao Banco do Brasil do município, com intensa troca de tiros. A ocorrência gerou pânico e terror entre a população. Na ocasião, cerca de 10 criminosos fortemente armados com fuzis invadiram e assaltaram a agência bancária. O grupo rendeu uma guarnição da Polícia Militar e fizeram os PMs de cordão humano em frente à agência. Quatro policiais militares foram feitos reféns. Eles foram liberados durante a madrugada e manhã de terça-feira. Não houve feridos na ocorrência e o valor levados pelos criminosos também não foi divulgado. Os assaltantes ainda não foram localizados.
Somente nos últimos dois anos, segundo o MPPA ocorreram três assaltos a instituições bancárias do município com uso de armas de fogo, explosivos e reféns durante a fuga. Esses fatos, de acordo com o órgão, levaram a abertura do procedimento administrativo.
O município possui cinco instituições financeiras, tornando-o atrativo para as associações criminosas. “Nem o batalhão da Polícia Militar e nem a Secretaria de Segurança possuem um plano ou política específica de prevenção ao aumento de crimes nesta época de ano”, frisou o promotor Sávio Ramon.